Respeite a arte! Ao reproduzir em outros lugares a obra de algum artista, cite o autor. Todas as poesias aqui presentes foram escritas por Mao Punk.

Visite também meu blog de textos: RESQUÍCIOS DEPRESSIVOS, SUJOS E NOJENTOS .
Textos que expõem a fragilidade e indecência humanas de forma irônica, metafórica e sem embelezamentos.

domingo, 29 de maio de 2011

JARDIM BRANCO

Se todo o meu jardim fosse branco
Que mal teria? Digo mal nenhum!
Eu posso pintá-lo como quiser!
Eu posso pintá-lo de grave e agudo,
Posso pintá-lo de doce e salgado!
É meu o jardim branco-universo.
Tão meu esse lindo universo-jardim.

O receio com som de flauta-doce
Tem gosto de sal de outros mares.
Minha flauta-salgada toca agora
Colorindo o branco que havia.
Sinestesia! Sinestesia!

Eu sou a flor e a flauta,
Sou o açúcar e o sal,
Sou os barulhos gostosos,
Sou o sabor colorido...
E meu jardim é tão meu,
O meu jardim é tão eu,
O jardim eu sou tão lá,
Lá eu sou cá a voar.

Se todo o meu jardim fosse branco...

sexta-feira, 20 de maio de 2011

SONETO MAIS QUE SEM GRAÇA

Aguardo em um anseio quase incontrolável
Algo que me venha completar os versos.
Dias não escrevo, ora estou disperso,
Falho e não redijo algo tão palpável.

Espero ansioso um sopro agradável,
Intenso inspirar que surja em um acesso
Pois tal dura falta é algo que não meço.
Onde andas tu, poema indomável?

Nesta condição doída, inefável,
Busco que o poema seja admirável
Mas inspiração me falta e confesso

Que aqui aguardo um lapso, incansável,
Qual possa criar o verso adorável
Dando o que preciso e o que tanto peço.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Olá, leitorxs!

Essa não é uma postagem com alguma poesia nova. Essa é uma postagem para compartilhar com vocês a publicação do livro "Do Fundo da Nossa Alma", da Belacop Livros.

Há alguns meses participei de um concurso de poesias da Belacop, onde os selecionados teriam suas poesias publicadas em um livro.

Enfim o livro saiu! Duas de minhas poesias foram publicadas nesse volume.

Estou aqui registrando esse acontecimento pois para mim é uma alegria ter minhas expressões quebrando fronteiras, expandindo e atingindo os olhos (quiçá os sentimentos) de novxs leitorxs.

Agradeço a todxs que me apoiaram, que ajudaram e que leem meu blog!
As poesias selecionadas e publicadas no livro são as seguintes:

AO SORRISO DA BAILARINA

POÉTICA ANTÍTESE

É só clicar no título da poesia para ler ou reler os versos.

Beijos para todxs! Paz e Anarquia!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

SONETO DO ADEUS CONCRETO

Minha poesia de adeus é triste,
Não pelo adeus que em si já me afeta
Mas por esta mágoa que se acarreta
Pela indiferença que me admitiste.

Dos afetos dados, qual feriu teu ego?
Quais de meus carinhos tem nos afastado?
Quantos destes tantos beijos foram dados
Sem merecimento algum de meu apego?

Já que estive só estando a teu lado
E não lhe tocara todo meu agrado,
Dou-lhe adeus. Embora meu semblante

Seja triste, fico aliviado
Pois prefiro estar acabrunhado
Que beijar a quem me quer distante.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

CAUSA MORTIS

Todo dia é dia de viver e morrer.
Todo dia é um fim.

Fim do dia, fim da vida.
Morrer, acordar...
                         sonhando! Viver(?).

Todo dia é dia. E nós ainda
Vivemos em nossa própria morte.
Morremos de nossa própria vida.